All for Joomla All for Webmasters
Buscando tag

women in tech

Feminismo Reflexões Tecnologia

Cadê as mulheres no meu evento de TI?

Galera, estava eu confabulando e dando uma olhada em alguns eventos de comunidade e fiquei bem chateada com o baixíssimo número de mulheres palestrantes. Toquei sobre esse assunto com as meninas maravilhosas do Django Girls e do Pyladies esse final de semana agora e descobri um bingo da “falta de diversidade de mulheres palestrantes”:

Essa página é ótima e se chama allmalepanels, que retrata eventos e trabalhos que só possuem caras.

A Renata passou outro bingo, mas eu perdi ele e achei esse muito bom também. Para quem não sabe inglês, esse bingo retrata as desculpinhas de não terem mulheres como palestrantes nos eventos de TI.

  • Mulheres não se interessam por esse assunto.
  • Não há mulheres suficientes qualificadas neste assunto.
  • Precisamos de grandes nomes para estas palestras, e poucos são mulheres.
  • Na verdade, é um campo dominado por homens.
  • Não há muitas mulheres nessa posição.
  • As mulheres que chamamos iam estar ocupadas no fim de semana ou cancelaram pouco antes do evento.
  • Mulher não pode ser palestrante porque é conhecida por falar demais.
  • Tentar introduzir mais mulheres como palestrantes é sexista (wtf porém é real).
  • Selecionamos as melhores palestras, e dentre elas não haviam mulheres.
  • Não podemos chutar homens das grades só para colocar mulheres.
  • Não podemos colocar uma mulher onde ela não se encaixa.
  • Mulheres são tímidas.
  • Mulheres na grade? Ninguém pensou nisso antes!
  • Mas as mulheres não submeteram ao evento!!!
  • AH, então me indica você uma mulher aí!
  • Não conheço essa aí.
  • Não tem muitas mulheres pra irem nos eventos.
  • Estamos apenas atendendo a demanda.
  • Mulheres precisam agir mais como homens (kakakakaka)
  • Participantes querem ouvir pessoas parecidas com eles mesmos.

Você já leu essas frases? Já ouviu da boca de alguém? Então, pode apostar, temos algum problema nesse evento.

Gráfico mostra como foi aumentando absurdamente a diferença entre homens e mulheres em posições de tecnologia, como analistas e cientistas

Mulheres por mais que ocupem bem menos os cargos de TI do que homens (por um problema da própria sociedade e da propaganda massiva que separou mulheres da tecnologia na época do boom dos computadores pessoais, por volta de 80), existem mulheres! Muitas! Elas lotam eventos como: DjangoGirls, NodeGirls, Women Techmakers, WomakersCode Summit, Pyladies, AfroPython, RailsGirls! Existe um site só com eventos de inclusão, que é o CODAMOS.

Tá, olha essas fotos! Cheias de mulheres! Muitas! Cadê elas no meu evento?

As mulheres vão em eventos que representam elas. Se as mulheres não se enxergam naqueles eventos, elas simplesmente não aparecem. Foi o caso do Node POA, em que o Henrique Schreiner fez esse contestamento para mim logo após eu ter sido a primeira mulher a palestrar em um meetup de um evento que já ocorria há quase dois anos.

Depois de quase dois anos, eu era a PRIMEIRA mulher a palestrar. Como vamos nos sentir confortáveis num espaço cheio de homens? Foi aí que surgiu a necessidade de um processo de inclusão, que virou algo muito maior. Virou o NodeGirls.

Nossa, mas a gente não morde!

VOCÊ pode ser um cara legal. Mas muitos, muitos não são. TODAS as mulheres já passaram por situações de machismo. Desde piadinhas idiotas e cantadas imbecis na rua até, infelizmente, situações muito mais graves. Contando um pouco da minha carreira, por exemplo, ouvi muito em um dos meus trabalhos que TI não era para mulheres, e que “mulheres são de Humanas, mais delicadas, e que foram feitas para trabalhos menos racionais”. Ouvi coisas ainda piores: que mulheres eram contratadas porque rivalizavam entre si, e isso rendia maior produtividade. Muito pelo contrário! Aquelas brigas provocadas geravam guerras de ego horríveis e o ambiente se tornava cada vez mais péssimo, quando todas nós podíamos ser irmãs se ajudando. Era a rivalização feminina, produto do patriarcado, sendo alimentado como o monstro que é.

Para melhorar a situação, neste mesmo trabalho fui poucos meses depois assediada sexualmente. Um dia após o assédio, a pessoa que me assediou disse que “agiu propositalmente como um psicopata”. Outro dia se foi e a mesma disse que “não foi nada demais”. Isso, sem contar o quesito pessoal, onde já sofri todo tipo de abuso, seja sexual, psicológico, o que fosse.

Sabe qual a pior coisa desse quadro? É que muito provavelmente eu não sou a única mulher em TI que passa por essa situação. Várias mulheres, dentro do fishbowl do NodeGirls, por exemplo, fazem denúncias de não serem contratadas por serem mulheres, por terem “maridos que podem sustentá-las”, denúncias de professores babacas que destroem carreiras e fazem mudá-las de curso ou abandonar a faculdade, etc. Sem contar os casos muito mais graves.

E quando vamos pensar em interseccionalidade? Vários casos de racismo, LGBTQfobia e discriminação por classes sociais. É como se fosse mais do que uma opressão: fosse uma casta, e fôssemos sujeitas a isso eternamente.

Sou mulher. Cresci na periferia paulista. Oriunda do movimento punk. Sou bissexual. A opressão vai muito além de ser mulher ou não.

Uma mulher vai em um evento e só vê homens. Nenhuma mulher para ajudá-la ou lhe passar segurança. Por mais que sejam caras legais, ela não sabe disso. E isso vai remetendo-a a uma série de situações desconfortáveis de um passado (ou presente) de situações de sexismo. Ela não quer estar naquele lugar.

Pense na seguinte situação: uma mulher está sozinha na rua e são dez horas da noite. Existem vários caras andando na rua. Todos eles são gente boa. Mas você pode ter CERTEZA que NENHUMA mulher vai ficar confortável naquela situação. O mesmo ocorre em eventos com falta de representatividade.

Se você um dia já se viu falando alguma das coisas do bingo ou dos tópicos, vale a atenção. E mais:

  1. O seu evento possui na organização alguma mulher?
  2. Você pensa na cota de 50/50 de palestrantes homens e mulheres? Busca aplicá-la?
  3. Como está o código de conduta desse evento? Existe? Ele pensa em mulheres cis, trans, na comunidade LGBT como um todo, na questão racial? Vai ter gente para ajudar em situação de perigo de participantes? E melhor ainda: existem pessoas que VÃO perceber quando um participante está em perigo ou não?
  4. Quais são as iniciativas de diversidade da sua comunidade TI? Simplesmente esperar que um call4papers com uma mulher caia do céu?
  5. Tem muito mais homens do que mulheres? O que você busca fazer para mudar esse cenário? Você está fazendo alguma coisa?

Sobre patrocinadores:

  1. Estes patrocinadores possuem programas de inclusão e diversidade? Lembrando que INCLUSÃO e DIVERSIDADE são coisas diferentes.
  2. Eles possuem histórico ruim sobre diversidade e inclusão? Se sim, se redimiram e estão tentando mudar esse aspecto? Afinal, ninguém nasceu “feminista”, mas nunca é tarde para se redimir e mudar.

Diversidade é o que já existe na empresa. Se ela já é mista, com diferentes tipos de pessoas. A inclusão é incluir mais pessoas diversas :)

Tá, mas afinal, pra quê mulheres na organização e não só como palestrantes? Para elas saberem as situações de machismo e alertarem na organização. Poderem fazer algo voltado para o conforto de mulheres. Para fazerem valer o código de conduta. Existem caras legais, mas eles foram criados na sociedade patriarcal e eles não sabem tudo sobre o que é ou não machismo, porque ainda são machistas em algum ponto. Então, quem vai fazer essa observação em um desrespeito do código de conduta ou até em uma reunião sobre como tocar o evento vai ser uma mulher. E essa mulher precisa ter voz. Não adianta colocá-la para dizer “olhe como meu evento é diverso, temos até mulheres”. Não somos feitas para vitrine de ninguém. O papel dela é mudar a vida de outras mulheres.

E se eu não encontrar mulheres para tocar isso comigo? Nossa rede é enorme. Acho difícil. Mas… fale com outras. Se elas não toparem, peça indicações. Fale até comigo, sei lá! A gente, quando o assunto é ajudar mulher, sempre pensa numa forma de ajudar. Às vezes não dá para estar 100% numa organização de um evento, mas uma call com dicas para tornar o evento mais inclusivo + um acompanhamento já ajuda bastante. É o que eu já fiz por exemplo e deu um resultado bacana em um evento aqui do sul.

Pensem em mulheres. Somos uma realidade. E vamos tomar cada vez mais espaços, pois não aceitamos mais sermos silenciadas. Não buscamos supremacia, apenas não queremos mais ser caladas.

Você gostou? Bacana! Você é nosso aliado!

Você não gostou?

Bom, eu sinto muito. Você terá que mudar, ou será engolido.

Eventos Tecnologia

Front In Poa 2017

eu compenetradíssima na miga huahuahuahuahuhua

Depois de tanto tempo resolvi dar o ar da graça no blog, hahahaha O pior de tudo é que já estamos em 2018! Não tenho vergonha nessa cara, mesmo!

Mas o evento foi tão bom que dá pra falar dele depois sim. Estamos falando do Front In Poa, um evento organizado pela Nasc, os mesmos organizadores da BrazilJS – o maior evento sobre Javascript do mundo. Quem bola todo esse plano genial são três caras: o Jaydson Gomes, o Felipe Moura e o Gabriel Novaes.

Conheci o Gabriel no Tchelinux Poa e, o que mais me admira nessas pessoas, é que quanto maiores os planos, maior a humildade. Super acessível, começamos a conversar e descobri que ele trabalhava na Nasc. Daqui a pouco, surge a Débora Duarte no meio do papo, uma amigona minha de mundo women in tech ♥ e o papo deslanchou. De repente, foi comentada sobre a vaga em um horário x na grade e que eles estavam procurando pessoas com urgência, afinal, o evento era uma semana depois do Tchelinux. E poxa, tinham duas palestrantes na frente dele! Hahahahah Que tal bolarmos algo juntas? E dessa conversa descontraída, surgiu a nossa ideia (minha e da @deboracardu) de fazermos uma apresentação juntinhas no Front In Poa.

YAAAAAAAS! E aí, como é que foi? Bom, aí é que a gente ficou pensando igual umas lontras o que a gente ia falar, e não conseguíamos pensar em nada (hehe). Depois de muito custo, pensamos em falar sobre algo que não conhecíamos, para nos forçar a aprender. Então, resolvemos falar sobre Vue.js (que inclusive conhecemos uma maravilhosa que manja muuuito, que é a Milene Lacerda).

Nossa palestra foi sobre como construir um site em 10 minutos com Vue.js. Ficamos noites e noites conversando, pesquisando, juntando partes de uma e de outra nas apresentações, etc. A gente queria fazer live code, aí live code não ia dar mais… era em cima da palestra e estávamos identando código (valeu Diogo maridão da Debs hahahaha). Foi uma loucura! Naquela época eu nem tinha meu notebook ainda, então eu me debruçava na apresentação após o meu horário de trabalho. Cheguei a sair daqui de Gravataí uma vez às 20h30 e ainda tendo que ir até Porto Alegre (são mais de 30km daqui onde trabalho até minha casa) de ônibus. Pra quem não tem muita noção de distâncias assim, é realmente beeeem longe. É como ir da capital quase que ao interior do estado.

Como foi? Um sucesso! Recebemos muito amor! Conheci através da palestra pessoas maravilhosas e feedbacks muito importantes. Foi muuuuito bacana sentir a vibe de palestrar ao lado de uma mulher. É incrível como nos sentimos mais seguras. Era só eu olhar pra cara da Débora que tava tudo bem. Tudo fluía muito bem!!! A gente tinha uma sintonia ótima pra apresentar (e não ensaiamos uma única vez juntas absolutamente NADA!). Simplesmente colocamos a cara a tapa e fomos!

Pra quem quiser saber exatamente o que falamos, seguem aqui os slides:

http://slides.com/deboraduarte/deck-11#/4

E aqui temos o repositório no github onde fizemos toda a palhaçada.

https://github.com/camilla-m/vuejs-com-a-debs/

Tem também o site ao vivo:

http://palestrasfrontinpoa.tk

Quanto ao restante do evento, nem preciso dizer, né: pessoas maravilhosas, um evento incrível, fizemos um networking incrível, conheci gente nova, vi palestras e trajetórias de vida super bacanas e na finaleira ainda teve um happy hour nota 10 ♥

Obrigada @deboracardu pela colaboração linda com esse post ♥