Categoria "Futebol"

VAI TER COPA SIM! mas pra quem?

Em 12.06.2014   Arquivado em Futebol, Reflexões, Textos

minha reação pra copa do mundo HAHAHAHAHAHA vai fênix!

[D]epois de muito estudo, relatos, notícias que venho lendo e toda uma reflexão sobre o maior espetáculo futebolístico da Terra, que acontece há cada 4 anos, venho expôr um texto que não poderia ter data melhor para ser publicado, senão hoje. Antes que comece o sagrado mimimi, venho dizer que eu não sou contra o futebol, muito menos o esporte: sou contra a forma como campeonatos feitos para divertir o povo (nem tão povo assim) são usados de forma oportuna e opressora para ganhar dinheiro e enriquecer corruptos.

menino trabalhando num farol na Copa :(

Quando eu era pequena, eu era igual você: vestia a camisa da Seleção e dizia: Vai Brasil! Mas até que ponto as pessoas acham que é mais saudável “ser patriota na Copa” enquanto nas urnas ou em greves se veem diante de estereótipos como: ai que preguiça de votar, bando de grevista vagabundo. Vejo pessoas que priorizam tanto o patriotismo futebolístico e esquecem o “patriotismo” quando a coisa realmente precisa: nas urnas, nas ruas, buscando direitos, contestando a mídia, etc. Até que ponto apoiar numa Copa que visa mais lucros do que o futebol arte e o que trocou educação, saúde e investimentos primordiais para o cidadão por obras superfaturadas com operários sem um pingo de segurança, que resultou inclusive em mortes? Vai ter Copa sim! Mas pros operários mortos, vai ter? Até onde devemos apoiar um país que desalojou 250 mil pessoas de suas casas em nome de construções terminadas apressadamente, colocando em risco não só telespectadores como pessoas que transitam pela região? Até onde apoiar um país que isentou a FIFA e seus patrocinadores de impostos, expulsou aldeias do único pedaço de chão que lhes restava, se submetendo a uma das empresas mais fraudulentas, como a FIFA? Deixo aqui apenas algumas perguntas contestadoras.

É fácil estar em seu senso comum, sentado, assistindo jogo e irritando não só vizinhos como animais domésticos com o uso de suas vuvuzelas, pois este senso já o defende por si só. Porém, se você pisar na rua para protestar e reivindicar direitos como saúde básica, transporte de qualidade (pois em dias normais somos transportados igual bois em metrô e CPTM), uma segurança em que pode se confiar em quem nos protege… vai acabar numa DP, sendo torturado. Vai acabar levando estilhaços de bomba na perna. Vai acabar zombado nas timelines de redes sociais com “lá vem o revoltadinho, lá vem o black bloc” sendo que muitos nem têm noção do que se trata de verdade o black bloc e não veem a gravidade de ter seus direitos silenciados para uma Copa que vai agradar tão poucos. Olhe para os estádios: se vê pessoas de classe média para cima, grande maioria branquelos. Onde está a população carente? E os negros? Cadê as minorias no meio de um bando de gente branquela burguesa? Ah, me perdoe, eu esqueci que devem estar em algum barraco da comunidade caindo aos pedaços ou nem isso, já que tantos foram desalojados por requintes que nunca sentiremos na pele. Dinheiro indo pra Copa, com tanta gente sem ter onde morar.

minha cara para a copa, hahahaha

Além da isenção de impostos, a FIFA proibiu vendedores num raio de 1km do estádio que não vendessem produtos senão dos patrocinadores, além de retirar ambulantes de seus comércios. Sem contar a proibição da FIFA em vender acarajé, produto típico de vendas no solo baiano. Falando em Bahia, foram proibidas até mesmo festas juninas grandes de São João lá, por causa da Copa das Confederações. Um desrespeito à identidade nacional. Isso, para um comerciante pequeno que mal consegue se sustentar é uma facada no peito. Onde está a Copa que gera milhões de empregos? Bobos os que trabalharam de graça para ela, enquanto a FIFA lucra e faz seus patrocinadores lucrarem mais ainda, nas costas de tolos, como eu que fui protestar na rua e fui repreendida ou você que levanta sua vuvuzela. A diferença é que eu sei o meu papel de tola e tento sair dele como posso.

A famosa aldeia Maracanã, que vivia próxima ao estádio de mesmo nome no Rio de Janeiro, foi cruelmente retirada. Não estamos falando só de pessoas. Estamos falando da pouca identidade nacional que nos restou sendo chutada para fora em nome de gringos que querem ganhar dinheiro. O futebol é, assim como qualquer esporte, uma chance de unir povos em busca de uma luz ao fim do túnel. Algo que não é visto na Copa, devastada por onde a FIFA passa. O que mais se quer, não se tem: futebol. Vemos mais dinheiro querendo ser ganho às custas dele.

Podemos citar também o turismo sexual e a imagem da mulher perante os gringos: a mulher brasileira é vista como um mero objeto sexual para prazer masculino, além de toda a questão que envolve não só o machismo e a prostituição, como a pedofilia, com os casos de prostituição infantil. Se vê gringos na TV falando: brazilian women are beautiful! e se acha graça. Porque não é você que está na rua para servir seu corpo ao dinheiro sujo da prostituição porque não se vê outro caminho além desse. Copa das Copas? Aonde? Uma Copa em que as arenas foram deixadas na mão de magnatas para inflacionar os ingressos, deixando quase impossível uma família pagar e levar seus filhos. Enquanto os governantes brasileiros sedem à FIFA e seus encantos, batem em manifestantes pacíficos e destroem a importância de uma oposição.

E você acha que Copa destrói só aqui? Na África do Sul, sem-tetos eram enviados para o interior das cidades, numa maneira de esconder a realidade do país. Se identificou? Sem contar as desapropriações que aconteceram também na Copa na Alemanha, em 2006.

“Prevendo a revolta popular, em novembro de 2012, o governo federal já havia comprado 50 milhões de reais em armas menos letais (balas de borracha, bombas de gás lacrimogêneo, entre outras), para serem utilizadas na repressão de manifestações e protestos populares e, inclusive sob os não violentos. Cerca de 2 bilhões de reais foram gastos em ‘segurança’ na compra de armamentos, equipamentos de vigilância e treinamentos – tudo para manter a ordem, que é determinada sob critério da FIFA e seus patrocinadores imperialistas.”

A repressão é violenta, e a deturpação midiática é ainda pior: além de se ver sangue dentro das favelas numa alternativa de “repreender” e nos protestos ao redor do país com bombas de gás lacrimogêneo e até mesmo canhões d’água de 35 milhões, numa São Paulo que grita por água em suas represas, vemos uma mídia tentando nos fazer engolir um evento quando a grande maioria das pessoas está desanimada: ruas sem decoração, pessoas torcendo mas sem muita empolgação… Uma mídia que esconde a verdadeira podridão por trás da Copa, enquanto o senso comum aplaude.

Proibir de te fazer torcer pela Copa? Jamais. Estaria fazendo o papel daqueles que me calaram e calaram outros tantos em manifestações. Nada é mais lindo que a liberdade individual. Porém, com consciência.

Leia mais neste artigo aqui.

Estendam suas vuvuzelas, que eu estenderei o silêncio que me foi dado!

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Bastille – Pompeii

fernanda colombo e a misoginia no futebol

Em 15.05.2014   Arquivado em Feminismo, Futebol, Reflexões, Textos

mística ♥

[D]epois da campanha completamente nonsense que foi aquela #somostodosmacacos (que eu problematizo e explico porque era uma campanha, digamos… oportunista, neste post aqui) nos vemos no seguinte embate: quando homem erra no mundo do futebol, ele é zoado algumas vezes e pronto. Mas quando é mulher, a coisa vai bem mais embaixo. Alguns infelizes além de tratarem a mulher como uma verdadeira carne no açougue e usando seus “atributos físicos” para “compensar” as críticas e o machismo (rolando assim ainda mais machismo), outros pedem para ela simplesmente sair do mundo do futebol e quem sabe fazer algo que seja mais “o talento dela”, como posar nua na Playboy. Porque, né, Alexandre Mattos, lugar de mulher é posando numa em revista de cardápio pornográfico, pra sempre servir o homem, seus prazeres e o patriarcado, né? Leiam aqui mais afundo o que rolou na entrevista nojenta dele.

Bom, não é novidade pra ninguém que o futebol é um dos meios mais preconceituosos da face da terra. Tão preconceituoso que um esporte que, assim como todos os outros, poderia ser utilizado para conscientizar e emancipar mentes, é até mesmo reação de nojo para algumas pessoas que não conseguem aturar (com razão) as atrocidades e falácias que muitos torcedores jorram pela internet, TV, jornais, etc. Eu, que sou amante do futebol desde os 4 anos de idade (visto que o cabeçalho do meu blog tem eu ruivinha com a camisa do Santos + meu jogador favorito, o Thomas Müller do Bayern München), fico simplesmente horrorizada com as coisas que vejo por aí.

queerpass: a torcida antihomofóbica/homossexual do bayern münchen! ♥

A mulher cis ou trans*, assim como xs homossexuais, homens cis ou trans*, negrxs, tem pouco espaço respeitoso no futebol. O primeiro deslize e “seu macaco, sua p*ta, seu v*ado, seu trav*co” e assim em diante. Até mesmo o homem hétero cis quando criticado, não é ofendido com sua heteronormatividade e sim com alcunhas difamatórias homofóbicas e misóginas que são constantemente utilizadas para repudiar os outros, como se ser gay ou mulher fosse a pior coisa do mundo. No futebol, mulher não pode entrar no meio sem ser desvalorizada no primeiro erro, quando muitos árbitros fazem coisas muito piores, fazem esquemas ilegais nos bastidores muito mais densos e estão dentro de muitas mutretas que nem preciso explicar, todo mundo sabe ou já ouviu falar. A mulher tem um espaço quase nulo no futebol, e quando tem, simplesmente é chutada no primeiro erro. A bandeirinha erra? Sim. Grosseiramente às vezes. Mas isso não é desculpa para você ser machista ao ponto de refutá-la com argumentos misóginos e muito menos mandá-la servir ao tesão masculino numa revista pornográfica. Isso é cúmulo da misoginia. Não queremos nenhumx árbitrx e bandeirinha, seja de qual gênero/etnia/orientação sexual for, sendo exposto desta forma. Ainda mais quando estão incluídos homofobia, machismo, transfobia, etc. Até porque, querendo ou não, a mulher no futebol acarreta ainda mas preconceito do que o árbitro homem cis hétero, como na maioria dos casos.

Redes de TV destacando os atributos físicos da mulher bandeirinha de forma descarada. Não quero que alguém chegue em mim e diga: nossa, mas você é uma blogueira/webdesigner/programadora/estudante tão linda, mesmo sendo meio incompetente… Quem quer isso? O elogio ao meu físico não diminui sua humilhação. Eu não quero ser destacada pelos meus atributos físicos, porque aí entra outro problema: o padrão estético social. Eu quero ser tratada com respeito e meus erros não serem expostos de forma patética mas sim aconselhados e visando melhorias. A moça foi afastada para “voltar a estudar”, quando bandeirinhas e árbitros cometem erros muito piores e continuam acabando com partidas e resultados de forma vergonhosa. Eu queria saber onde que estão as equipes de arbitragem que cometeram estes e outros tantos erros grotescos. Será que mandaram posarem nus ou os afastaram pedindo para voltar a estudar?

a bandeirinha constantemente atacada por seus erros: fernanda colombo

Páginas de futebol com conteúdo “humorístico” constantemente zombando jogadores com alcunhas preconceituosas. A desculpa? “Somos uma página de humor, então natural usar isso”. Não sabia que agora humor virou desculpa pra ser idiota. Humor não é humor quando não se inclui todos, é preconceito. É fácil fazer humor preconceituoso quando o preconceito não é contra você, né? A sua opinião não te dá o direito de ser preconceituoso com ninguém, seja qual for o preconceito e a pessoa referida. Ainda me assusto quando vejo pessoas dizendo “que o futebol é um mundo à parte dos outros, por isso que rola tanto preconceito”. Sinceramente, não é desculpa, visto que o futebol acaba entrando não só na parte esportiva como também na parte social, a partir do momento em que torcedores não só de futebol como de outros esportes utilizam preconceito para ofenderem-se e também pela parte positiva, como a utilização do esporte nos movimentos sociais para inclusão de pessoas. Sendo assim, o futebol é também o nosso mundo! Visto que ao longo do Brasil desalojaram teoricamente 250 mil pessoas nas construções para a Copa do Mundo e alguns trabalhadores foram até mesmo mortos durante as construções. Certeza que futebol é mundo à parte?

O que eu peço encarecidamente é que tomem cuidado com as palavras proferidas e as atitudes perante acontecimentos do futebol. Violência verbal não deixa de ser menos humilhante. Você gostaria de ser rechaçado publicamente por erros que cometeu? Seja você homem cis ou trans*, mulher cis ou trans*, seja qual for sua orientação sexual, a cor de sua pele…? Gostaria que seus atributos físicos fossem “compensados” por seus erros profissionais, como se isso fosse uma forma de “diminuir sua humilhação”? Vejo pessoas falando “aposto que essa bonitona virou bandeirinha porque deu pra alguém”… engraçado que árbitro “bonito” entra por mérito, mas mulher que entra pro futebol sempre tem que ser por atributo físico? Tá me falando que mulher não tem competência? É o machismo não só proliferando misoginia como até mesmo derretendo o cérebro dos homens. Além disso, vale lembrar que o futebol feminino é bem menos destacado do que o masculino, mas deixo isso pra outro post… vale a reflexão!

E pra terminar, uma música que combina bem com o tema: Oh No da Marina and the Diamonds ♥

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.