All for Joomla All for Webmasters
Tecnologia

Insiter: You inside the web!

essa foto definitivamente não está boa hahahaha

E aí pessoal, tudo bem? Vou falar um pouco hoje sobre como foi o evento de sábado passado (02/12), o Insiter!

O foco do evento era desenvolvimento web. Fiquei sabendo em cima da hora sobre o acontecimento e me surpreendi com a grade! Muito boa! Então o pessoal da Umbler, como bons patrocinadores, tiveram a oportunidade de ir e conhecer mais do projeto.

Comentarei um pouco das minhas palestras favoritas com vocês :)

O evento começou com Ícaro, diretamente da Globo.com, falando sobre como eles utilizam o Twitter nas coberturas ao vivo. É muito mais simples para a Globo.com utilizar tweets do que posts de uma plataforma própria, pois eles não precisam se preocupar com questões de servidor (espaço, RAM, etc). Porém, eles tiveram vários problemas até encontrarem um modelo de projeto ideal (e estava passando tudo isso para nós).

Eles conseguem também uma conexão maior com os leitores, visto que eles rastreiam não apenas os jornalistas e famosos, mas também as hashtags que estão sendo postadas. Muito massa, né?

Depois graças a deussss rolou um coffeebreak porque eu estava morrendo de fome. E que coffeebreak, hein pessoal?

Depois do coffee rolou uma palestra da Carolina Campos, que já me é familiar do BrazilJS: ela falou sobre arquitetura serverless. Foi uma palestra muito bacana e, pra mim, mais legal ainda que a do BrazilJS, que tinha sido sobre microsserviços. A Carol faz parte de uma empresa que está integrada a um projeto do Itaú, chamado “Cubo”. Dentro deste projeto, existem várias startups que têm por desafio construir projetos com tecnologias inovadoras. A Carol está codando bastante com BAAS (Backend as a Service), FAAS (Function as a Service) e trabalhando com ferramentas da AWS como o DynamoDB e o Lambda. O mais bacana destas ferramentas é que você literalmente utiliza o que processa. Um exemplo prático disso é que as funções que ela joga na AWS Lambda só são cobradas o processamento. Então se a função só rodou uma vez no dia, só é cobrada aquela vez no dia.

Tecnologias que só pagamos o que usamos são muito top, né? Isso me lembra a Umbler ;)

Uma outra palestra que me chamou muito a atenção foi a do Matias, sobre uma tecnologia chamada Flow. Não, não estamos falando do funk.

Flow é um “tester” pra Javascript, para testar as funções. O flow é uma biblioteca muito simples, editável e que roda exclusivamente localhost. Você seta o que tem que vir nas funções e, ao rodá-lo junto com seu código, ele verifica se o que está vindo de parâmetro está correto. Por exemplo:

Existe uma função myfunction que recebe como parâmetro exclusivamente dois números. No flow, você escreve que esta função tem que vir dois números. Se em algum momento do projeto os parâmetros são um número e uma string, o flow vai apontar erro antes mesmo de isto ser feito deploy e ir para produção :)

O Javascript é uma linguagem de tipagem dinâmica. O flow “força” a tipagem, evitando erros e resultados desagradáveis em funções.

O que curti na palestra dele é que, de forma irônica, ele também comemorou um pouco o título do Grêmio, hahahahahahaha

Teve uma palestra muuuuito massa do Fuad Saud, sobre como o Nubank resolveu alguns probleminhas que eles tinham de ter que toda hora dar deploy para a store dos dispositivos móveis para que o cliente tivesse acesso a algumas funcionalidades novas, principalmente em partes de cadastro.

Teve a Débora falando sobre desenvolvimento multiplataforma e suas vantagens. Ela é uma fofa e adorei sua didática!

E pra finalizar com chave de ouro, teve a fantástica da Cynthia, que tive o imenso prazer de conhecer, que encabeça um projeto que começou no Rio Grande do Sul, chamado womakerscode! Ela trabalha na Microsoft e contou um pouco de algumas ferramentas para melhorar e compreender a performance da sua aplicação web. A mais bacana foi uma nova, lançada pela própria Microsoft, chamada Sonar! O Sonar é incrível: além dele falar como anda a performance do seu site, ele ainda diz se ele está ok para ser um PWA.

Mas tá, o que é PWA?

Digamos que PWA são aplicações web com potencial para se transformarem em aplicativos de store de dispositivos móveis. Só que você não precisa ir até uma store (Google Play, por exemplo) e baixar: você pode simplesmente criar um atalho para a tela inicial. Ele salva suas informações no cache e funciona exatamente como um aplicativo, mas no navegador do seu celular. Incrível, né? É muito mais simples do que toda a função de subir uma aplicação, depender de atualizações…

Além do Sonar, ela falou de outras ferramentas, como o WebPageTest. Mas a melhor mensagem foi tudo o que ela disse sobre diversidade, ajudarmos uns aos outros no meio da tecnologia e… BAM! Vai rolar evento de TI para mulheres no dia 31 de março, aqui em Porto Alegre! Eu estou surtaaaaando e com certeza quero ajudar MUITO. Bora lá!

O evento foi fantástico e superou minhas expectativas. Estou ansiosa para o próximo ano! Yaaaaaaassssssss!

Até mais pessoal :)

You Might Also Like